Apoio a doentes

Carcinoma da Tiróide

Quão preocupado deverei estar se tiver carcinoma da tiróide?


No caso do carcinoma da tiróide diferenciado (carcinomas papilar e follicular), a probabilidade de recuperação é muito boa.1 Após a cirurgia e a ablação com iodo radiativo, a maioria dos doentes pode retomar a sua vida normal, apesar da monitorização ao longo de toda a vida ser um requisito para quase todos. Contudo, como a tiróide foi removida, o corpo não é mais capaz de produzir hormonas tiroideias. Desta forma, passa a ser necessário tomar comprimidos de hormona tiroideia. Estudos observacionais a longo prazo demonstram que, para a maioria dos doentes, a esperança média de vida não é afetada.1

Infelizmente isto não é verdade para todos os doentes. Factores que influenciam o prognóstico incluem a idade de diagnóstico (segundo as estatísticas, doentes mais novos têm melhor prognóstico). Outros factores que podem influenciar o sucesso do tratamento incluem o tipo de carcinoma, a sua dimensão e a presença/ausência de tumores nos nódulos linfáticos do pescoço ou em outros órgãos.2


1. Hay ID, Klee GG. Thyroid cancer diagnosis and management. Clin Lab Med.1993;13:725–734.
2. Perros P, Colley S, Boelaert K, et al. British Thyroid Association Guidelines for the Management of Thyroid Cancer. Clinical Endocrinology 2014; 81(Suppl.1):1–122.

 

 

Carcinoma Medular da Tiróide

Quão preocupado deverai estar sobre a possibilidade de ter carcinoma medular da tiróide?

O carcinoma medular da tiróide geralmente tem um bom prognóstico, particularmente se o carcinoma estiver confinado à tiróide. Após a cirurgia, a maioria dos doentes pode retomar a sua vida normal, apesar da monitorização para toda a vida ser um requisito. Contudo, como a tiróide, e provavelmente também a paratiróide, foram removidas, o corpo não é mais capaz de produzir hormonas tiroideias e o metabolismo do cálcio também poderá ser afectado. Assim sendo, os doentes necessitam de fazer terapêutica de substituição de hormona tiroideia, na forma de comprimidos, bem como fazer uma suplementação de cálcio e vitamina D.

A minha família necessita de fazer testes ao ADN? Porquê?

Cerca de um quarto dos casos de carcinoma medular da tiróide são herdados e há uma probabilidade de 50% de transmissão da doença para os filhos. O CMT hereditário é causado por alterações nos genes. Quando estas mutações estão presentes, o carcinoma irá desenvolver-se em alguma altura. A pesquisa destas mutações nestes genes pode ser feita precocemente, pode mesmo ser feita em bebés. No caso da mutação do gene estar presente, poderá ser feito um plano de tratamento adequado, incluindo a remoção da tiróide.

Como posso encontrar os médicos e hospitais mais adequados?

O carcinoma medular da tiróide é habitualmente tratado em centros especializados, onde os cirurgiões têm experiência em cirurgias à cabeça e ao pescoço. 

O esforço de viajar até um centro especializado em carcinoma da tiróide pode valer a pena, caso essa hipótese esteja disponível. Os riscos associados à cirurgia da tiróide são muito dependentes da experiência do cirurgião. O número de cirurgias à tiróide feitas num ano, num determinado departamento ou hospital, é um bom indicador da experiência em cirurgia à tiróide.

Estar coordenado com o seu médico é importante para garantir um acompanhamento ótimo após a cirurgia.

 

Diagnóstico

O meu medico disse-me que tenho microcarcinomas – o que são?

Os microcarcinomas são carcinomas de dimensão muito reduzida – menos de 1 cm de diâmetro. Quase 30% dos carcinomas papilares da tiróide pertence a esta categoria.1 Se não houver mais tecido cancerígeno na tiróide ou noutras partes do corpo, o médico poderá considerar que não é necessário terapêutica com iodo radioativo. 


1. Perros P, Colley S, Boelaert K, et al. British Thyroid Association Guidelines for the Management of Thyroid Cancer. Clinical Endocrinology 2014; 81(Suppl.1):1–122. 

Como posso encontrar os médicos e hospitais mais adequados?

Se o seu medico de família suspeitar que tem carcinoma da tiróide, será encaminhado para um médico de medicina nuclear ou para um endocrinologista, que irá realizar vários testes e exames, de forma a confirmar o diagnóstico. Será posteriormente referenciado para um cirurgião experiente em cirurgias à tiróide.

O esforço de viajar até um centro especializado em carcinoma da tiróide pode valer a pena, caso essa hipótese esteja disponível. Os riscos associados à cirurgia da tiróide são muito dependentes da experiência do cirurgião. O número de cirurgias à tiróide feitas num ano, num determinado departamento ou hospital, é um bom indicador da experiência em cirurgia à tiróide. Este tipo de informação pode ser encontrada nos relatórios de qualidade dos hospitais – geralmente são mandatórios e estão habitualmente disponíveis para consulta na internet. 

O início imediato da terapêutica de substituição de hormona tiroideia, por razões médicas, é possível para a maioria dos doentes. A gestão e coordenação de tempos entre o cirurgião, o médico de medicina nuclear e o endocrinologista é importante para assegurar um acompanhamento ótimo após a cirurgia. 

A considerar:

  • O intervalo de tempo entre a cirurgia e a decisão de iniciar ou não tratamento com iodo radioativo deve ser o menor possível, de modo a reduzir a duração total do tratamento.
  • Quando iniciar a terapêutica de substituição de hormona tiroideia também é uma decisão a ser tomada. Algumas clínicas permitem a ablação com iodo radioativo, em conjunto com a administração de TSH humana recombinante (rhTSH). Isto permite o início a terapêutica de substituição de hormona tiroideia logo após a cirurgia, o que ajuda a evitar os efeitos secundários, por vezes graves, do hipotiroidismo.

 

Acompanhamento

É possível sentir-me em boa forma física, mesmo após a remoção cirúrgica da tiróide?

Após a tiroidectomia, a terapêutica de substituição de hormona tiroideia é necessária para toda a vida. Se esta terapêutica for gerida de uma forma ideal e tiver um estilo de vida saudável, poderá recuperar a sua forma física e retomar a sua vida normal.

Com que frequência deverei fazer check-ups?

Durante o primeiro ano, as consultas de acompanhamento serão agendadas aproximadamente a cada 3 meses. A frequência destas consultas é normalmente reduzida a uma vez por ano, especialmente se não houver sinais ou sintomas de recidiva.1,2

Os testes ou exames de monitorização consistem na palpação do pescoço, em ecografias ao pescoço e em análises sanguíneas.1,2

A longo prazo, a monitorização irá variar de acordo com o tipo e estadio do carcinoma, bem como de acordo com outros fatores, como o seu bem-estar geral.1,2


1. Pacini F, Schlumberger M, Dralle H, et al. European consensus for the management of patients with differentiated thyroid carcinoma of the follicular epithelium. Eur J Endocrinol. 2006;154:787–803.
2. Perros P, Colley S, Boelaert K, et al. British Thyroid Association Guidelines for the Management of Thyroid Cancer. Clinical Endocrinology 2014; 81(Suppl.1):1–122. 

Qual o risco de o carcinoma da tiróide voltar (recidiva)?

O prognóstico para o carcinoma diferenciado da tiróido é excelente a nível de sobrevivência, mas está dependente da idade, da extensão da doença na altura do diagnóstico e do sucesso da cirurgia.

Algumas pessoas têm doenças avançadas na altura do diagnóstico. Destes, cerca de metade terá carcinoma medular da tiróide recorrente ou persistente.

 

Tratamento Inicial 

O que deverei ter em consideração se (quiser) engravidar?

Se (quiser) engravidar, deverá debater o assunto com o seu médico, que lhe poderá explicar os procedimentos e as normas locais.

Os procedimentos em Portugal requerem que seja sempre excluída uma possível gravidez, antes da administração de iodo radioativo.1 No caso de mulheres a amamentar, está contraindicada a administração de iodo radioativo – o aleitamento deve ser terminado antes da administração de iodo radioativo e a doente só poderá voltar a amamentar numa gravidez subsequente.1 

Após a administração de iodo radioativo, recomenda-se esperar entre 6 a 12 meses, até voltar a tentar engravidar, uma vez que o risco de aborto espontâneo está aumentado durante o primeiro ano após o tratamento com iodo radioativo.1,2,3

O seu médico irá monitorizá-la mais de perto que o habitual, visto que o seu corpo irá necessitar de mais hormonas tiroideias à medida que a sua gravidez se desenvolve.3 O seu médico irá ajusta a dose da terapêutica de substituição de hormona tiroideia, conforme necessário. Para além disso, poder-lhe-á ser recomendado um suplemento de iodo durante as primeiras semanas de gravidez,4 uma vez que só às 12 semanas é que a tiróide do embrião fica funcional.5


1. Rodrigues F, Limbert E, et al. Protocolo de Tratamento e Seguimento dos Carcinomas Diferenciados da Tiróide de Origem Folicular. Acta Méd Port 2005; 18: 3-18
2. Santos J, et al. Patologia tiroideia na gravidez e pós-parto. Revista Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo 2007; 02: 27-37
3. Norma Direção-Geral da Saúde nº 017/2013. Carcinoma da tiróide de origem folicular. 26/11/2013
4. World Health Organization. www.who.int/elena/titles/iodine_pregnancy/en/. Accessed March 2015.
5. Howdeshell KL. A model of the development of the brain as a construct of the thyroid system. Environmental Health Perspectives 2002;110(S3):337-348.

 

Qual o tempo de recuperação, após a cirurgia à tiróide?

Geralmente, poderá esperar um internamento de 1-3 dias, dependendo da extensão da cirurgia. Deverá evitar esforços e levantar objetos pesados até a ferida da cirurgia estar sarada; poderá sentir o seu pescoço rígido no início, mas irá melhorar gradualmente. Duas semanas após a cirurgia poderá ter condições para voltar ao trabalho, mas deverá aconselhar-se com o seu médico.1


1. Perros P, Colley S, Boelaert K, et al. British Thyroid Association Guidelines for the Management of     Thyroid Cancer. Clinical Endocrinology 2014; 81(Suppl.1):1–122.

Quais os efeitos secundários da ablação por iodo radioativo?

Os efeitos secundários agudos da ingestão de altas doses de iodo radioativo consistem principalmente em inchaço na zona da cirurgia, que resulta da absorção de iodo por parte do tecido tiroideu remanescente. Também poderá ocorrer, ocasionalmente, inchaço das glândulas salivares e desconforto gástrico. De forma a prevenir danos nas glândulas salivares, será aconselhado a beber muita água e a mastigar uma pastilha elástica. Outros efeitos secundários incluem a redução do paladar e problemas nos ductos lacrimais.1

A longo prazo, o facto de aparecerem ou não efeitos secundários crónicos depende do número de total de tratamentos com iodo radioativo que recebeu, bem como do total administrado de atividade de iodo radioativo.  

Homens que planeiam ter filhos e que sejam provavelmente sujeitos a vários tratamentos com iodo radioativo, poderão considerar criopreservação de espermatozoides, já que grandes quantidades de radioatividade – como resultado de vários ciclos de tratamento, por exemplo – podem diminuir a contagem de espermatozoides. Apesar de este efeito ser maioritariamente transitório, pode, em alguns casos, ser permanente. Irregularidades menstruais podem ocorrer em até 30% das mulheres.2


1. Perros P, Colley S, Boelaert K, et al. British Thyroid Association Guidelines for the Management of Thyroid Cancer. Clinical Endocrinology 2014; 81(Suppl.1):1–122. 
2. American Thyroid Association. Thyroid and Pregnancy. Clinical Thyroidology 2011. Available from www.thyroid.org. Accessed December 2014.

Que tipo de preparação é necessária na terapêutica com iodo radioativo?

O sucesso da ablação com iodo radioativo depende da absorção suficiente de iodo radioativo por parte das células tiroideias remanescentes. Este mecanismo é melhorado por níveis elevados de hormona estimulante da tiróide (TSH), uma vez que a TSH estimula as células tiroideias remanescentes a absorver iodo (radiativo). Se tiver hipotiroidismo (baixos níveis de hormonas da tiróide), a produção de TSH no corpo aumenta drasticamente, pelo que o tecido tiroideu absorve tanto iodo radioativo quanto possível. 

O seu médico deverá avaliar consigo qual das técnicas seguintes é mais apropriada no seu caso, para aumentar os níveis sanguíneos de TSH:

  • Interrupção da toma dos comprimidos de hormona tiroideia
  • Administração de 2 injeções de TSH recombinante. 

1. Perros P, Colley S, Boelaert K, et al. British Thyroid Association Guidelines for the Management of Thyroid Cancer. Clinical Endocrinology 2014; 81(Suppl.1):1–122. 
 

O iodo radioativo será prejudicial para a minha família?

Quando voltar a casa após o tratamento com iodo radioativo, deverá evitar contacto próximo com bebés, crianças e mulheres grávidas, bem como evitar contacto prolongado com outras pessoas. Isto pode significar afastar-se de áreas populosas, como o cinema, em que poderá estar em contacto com outras pessoas por um longo período de tempo. A equipa do seu centro de tratamento dir-lhe-á durante quantos dias terá de ter este cuidado, uma vez que irá depender da dose de iodo recebida e da probabilidade de contacto com crianças.1


1. Perros P, Colley S, Boelaert K, et al. British Thyroid Association Guidelines for the Management of     Thyroid Cancer. Clinical Endocrinology 2014; 81(Suppl.1):1–122.

O que significa a interrupção da toma dos comprimidos de hormona tiroideia?

Quando se deseja um aumento dos níveis de TSH, o médico pode dizer-lhe para parar de tomar os comprimidos de hormona tiroideia iniciados logo após a cirurgia à tiróide – esta paragem geralmente dura 2 a 6 semanas. Alternativamente, o médico poderá decidir não iniciar esta terapêutica imediatamente após a cirurgia e prosseguir diretamente para a fase seguinte do tratamento. 

Durante este período poderá sentir um ou mais sintomas de hipotiroidismo, como sentir-se desanimado e cansado; poderá experienciar episódios de fadiga ou dificuldade em concentrar-se. Alguns doentes debatem-se ainda com depressão e perda de memória. Poderá necessitar de ter uma folga do trabalho durante esta fase do tratamento. 

 

Sinais de hipotiroidismo1

Administração de TSH (rhTSH)

Envolve um aumento rápido e de curto prazo dos níveis de TSH, através da administração de rhTSH (TSH humana recombinante), produzida por engenharia genética e utilizada para substituir a TSH natural. A administração de rhTSH é feita através de injeção intramuscular (nas nádegas), nos dois dias antes de tomar a cápsula de iodo radioativo. Desta forma, não é necessário interromper a toma dos comprimidos de hormona tiroideia. Nalguns casos, nem sempre, poderá ser aconselhado a fazer uma dieta baixa em iodo durante as 2-3 semanas antes da administração de iodo radioativo. 


1. Dow KH, Ferrell BR, Anello C. Quality of life changes in patients with thyroid cancer after withdrawal of thyroid hormone therapy. Thyroid. 1997;7:613–619.
2. Perros P, Colley S, Boelaert K, et al. British Thyroid Association Guidelines for the Management of Thyroid Cancer. Clinical Endocrinology 2014; 81(Suppl.1):1–122. 

 

Qual é o tratamento para o carcinoma da tiróide – preciso de fazer quimioterapia ou radioterapia?

O primeiro passo é a remoção cirúrgica de toda a glândula tiroideia, bem como de tecido circundante.

O passo seguinte no tratamento envolve uma terapêutica denominada ablação por iodo radioativo. Mesmo havendo uma remoção cirúrgica da tiróide, a sua localização delicada torna muito difícil a remoção completa de todo o tecido tiroideu. É importante garantir que todo o carcinoma foi destruído, de modo a reduzir o risco de recidivas. 

Geralmente, o carcinoma da tiróide é tratado com remoção cirúrgica da tiróide, seguida de terapêutica com iodo radioativo. Contudo, para casos de carcinoma da tiróide avançado, poderão ser opções terapêuticas a quimioterapia paliativa ou terapêuticas direcionadas. 

Uma etapa adicional do tratamento envolve a toma de comprimidos de hormona tiroideia, para repor os níveis desta hormona que antes era produzida naturalmente pela tiróide. A toma destes comprimidos será para toda a vida.

O objetivo da terapêutica inicial é erradicar todas as células tiroideias residuais, através de cirurgia e ablação, de forma a reduzir o risco de recidivas locais ou distantes e a prolongar a sobrevivência. A ablação aumenta a sensibilidade não só a eventuais exames com iodo que sejam necessários, como também à subsequente monitorização de tiroglobulina (Tg). Todos os testes ajudam o médico a assegurar-se de que todo o carcinoma da tiróide foi completamente destruído.1


1. Perros P, Colley S, Boelaert K, et al. British Thyroid Association Guidelines for the Management of Thyroid Cancer. Clinical Endocrinology 2014; 81(Suppl.1):1–122. 

Qual o tratamento para o carcinoma (medular) da tiróide – irei precisar de quimoterapia ou radioterapia?

A primeira etapa é a remoção cirúrgica da glândula tiróide e de algum tecido circundante. O passo seguinte envolve a chamada terapêutica de ablação por iodo radioativo. Apesar de a tiróide ser removida por cirurgia, o facto de se encontrar numa posição delicada significa que, na maior parte das vezes, algum do tecido da tiróide não é removido. Desta forma, é importante garantir que todo o carcinoma é destruído, de modo a reduzir o risco de recidiva. 

De forma geral, o carcinoma da tiróide é tratado através de remoção da tiróide por cirurgia, seguida de terapêutica com iodo radioativo. Para casos de carcinoma da tiróide em estado avançado, a quimioterapia paliativa e as terapêuticas direcionadas são opções de tratamento. 

Uma etapa adicional do tratamento envolve a toma de comprimidos de hormona tiroideia, para repor os níveis desta hormona que antes era produzida naturalmente pela tiróide. A toma destes comprimidos será para toda a vida.

O objetivo da terapêutica inicial é erradicar todas as células tiroideias residuais, através de cirurgia e ablação, de forma a reduzir o risco de recidivas locais ou distantes e a prolongar a sobrevivência. A ablação aumenta a sensibilidade não só a eventuais exames com iodo que sejam necessários, como também à subsequente monitorização de tiroglobulina (Tg). Todos os testes ajudam o médico a assegurar-se de que todo o carcinoma da tiróide foi completamente destruído.

 

Carcinoma Medular da Tiróide

O carcinoma medular da tiróide é quase sempre tratado primeiramente com remoção cirúrgica da tiróide e dos gânglios linfáticos do pescoço. Poderá encontrar mais informação sobre o tratamento do carcinoma da tiróide aqui.